Quem era Mary Pearcey, a assassina suspeita de ser Jack, o Estripador?

Handreza Hayran 13/04/2022
Atualizado 13/04/2022 18:16
5 Minutos de Leitura
Mary Pearcey

Em 1888, nas ruas escuras de Londres, jovens prostitutas foram massacradas. Durante anos, as autoridades perseguirão aquele que conhecemos como “Jack, o Estripador”, sem sucesso. No entanto, a polícia tinha muitos suspeitos, um dos quais era ninguém menos que Mary Pearcey.

De fato, essa mulher cometeu assassinatos muito semelhantes aos que as autoridades atribuíram a Jack, o Estripador. Conheça sua história.

Quem foi Mary Pearcey?

Mary Eleanor Wheeler nasceu na Inglaterra em 1866. Sabemos muito pouco sobre sua infância e suas relações com os outros. No entanto, sabemos que o próprio pai de Mary foi condenado à morte.

De fato, Thomas Wheeler foi enforcado em 29 de novembro de 1880 pelo assassinato de um fazendeiro. Pouco antes de sua execução, Thomas Wheeler enviou uma carta de desculpas à esposa do fazendeiro. Ele lhe pediu misericórdia e que suas ações não tivessem repercussões em sua esposa e filha.

Naquela época, Maria tinha apenas 14 anos. Logo após a morte de seu pai, ela começa um relacionamento com um carpinteiro e leva o nome dele sem que eles se casem. Assim, Mary Eleanor Wheeler é agora chamada de Mary Pearcey.

Ela era conhecida por ser deprimida e ter uma atração especial pelo álcool, especialmente após sua separação do carpinteiro.

O ciúmes de Mary Pearcey

Alguns anos depois, Mary Pearcey conheceu um novo amante: Frank Samuel Hoggs. No entanto, Hoggs tem outro relacionamento. De fato, o promotor vê Phoebe Styles com muita regularidade. Quando esta engravida, Mary Pearcey não parece incomodada com a situação e até força-o a se casar com Phoebe.

No entanto, quando o filho de Phoebe e Frank nasce, Mary Pearcey muda drasticamente. Em 24 de outubro de 1890, reivindicando um convite para beber chá, Mary Pearcey deu as boas-vindas a Phoebe e ao recém-nascido em sua casa, depois cortou a garganta da jovem mãe e sufocou seu filho.

Mary Pearcey mata a amante de seu marido e o filho

Às 19h, os corpos sem vida das duas vítimas foram encontrados nas ruas de Londres. A cabeça de Phoebe estava enrolada em um cardigã, e a ferida na garganta era tão profunda que Phoebe quase foi decapitada.

Este assassinato foi uma reminiscência dos assassinatos de Jack, o Estripador, que aterrorizou a capital do Reino Unido por quase 10 anos.

Quando a polícia interrogou Mary Pearcey, esta negou os fatos. Mas a evidência estava lá, especialmente o anel de Phoebe no dedo de Mary Pearcey. Assim, a jovem foi condenada pelos assassinatos de Phoebe Hoggs e seu filho recém-nascido, e enforcado em 23 de dezembro de 1890.

Na noite anterior à sua execução, Mary Pearcey solicitou que estas palavras enigmáticas fossem publicadas em um jornal: “Meu veredicto é justo, mas a maioria das evidências contra mim era falsa”

Mary Pearcey e sua conexão com ‘Jack, O Estripador’

Essas últimas palavras podem conectar Mary Pearcey e o próprio Jack, o Estripador. De fato, uma teoria apresenta essas palavras como uma mensagem codificada para o serial killer mais famoso dos anos 1880-90.

Mary Pearcey poderia ser cúmplice de Jack, o Estripador?

Outra hipótese sugeria que Jack, o Estripador, era uma mulher e Mary Pearcey era uma suspeita real. Ela tinha força para matar, como demonstrou o assassinato de Phoebe Hoggs.

Quase 100 anos depois, o cientista australiano Ian Findlay fez alguns testes de DNA. E o resultado foi claro: o DNA combinava com o de uma mulher. Infelizmente, os processos atuais e o DNA danificado não puderam provar a identidade exata dessa mulher. Mas pode muito bem ter sido o de Mary Pearcey.

Compartilhe este Post