Por dentro da mente sombria do palhaço assassino John Wayne Gacy

Handreza Hayran
15 Minutos de Leitura
Gacy como Pogo, o Palhaço

Depois de uma infância traumática, sofrida com um pai abusivo, John Wayne Gacy construiu uma vida de empresário e cidadão exemplar que o levou inclusive a ser fotografado com a primeira-dama dos Estados Unidos.

Ele participava de instituições de caridade e era amado por todos quando se vestia de palhaço. Ninguém sabia que por trás dessa fachada impecável estava um dos piores assassinos em série da história criminal americana.

John cresceu como uma criança doente

John cresceu como uma criança doente, o que irritou seu pai veterano da Primeira Guerra Mundial. Ele muitas vezes o espancava e o insultava.

Devido a um relacionamento difícil com o pai, o menino se aproximou da mãe, que tentou, sem sucesso, resistir aos ataques do marido. Uma vez ele quebrou alguns de seus dentes e a chutou para fora da casa.

Aos sete anos, o menino experimentou a calcinha da mãe. Ao saber disso, seu pai mais uma vez o espancou e o obrigou a ir para a escola com essa calcinha.

John foi vítima de assédio sexual por parte do amigo de seu pai

Mais tarde, John, com 10 anos, foi vítima de assédio sexual por parte do amigo de seu pai, um caminhoneiro.

Quando adolescente, o menino teve problemas cardíacos e muitas vezes desmaiou. Naquela época, ele queria se tornar padre. John e suas irmãs estudaram em uma escola católica, mas aos 20 anos Gacy partiu para Los Angeles, onde trabalhou como assistente funerário por vários meses.

Ele conheceu a esposa Marlin Myers na loja que trabalhava

Logo o jovem retornou a Chicago, entrou em uma faculdade de administração e conseguiu um emprego como vendedor de sapatos em Nunn-Bush.

Ele fez um bom trabalho e foi nomeado gerente de outra loja em Springfield, Illinois. Lá, John conheceu sua futura esposa, Marlin Myers.

John Wayne Gacy começou a administrar 3 restaurantes KFC

Após o casamento, Gacy e Myers se mudaram para Iowa, onde o futuro assassino começou a trabalhar para o pai de sua esposa, ajudando a administrar três restaurantes KFC. Lá ele se juntou ao Jaycees, uma organização de treinamento de liderança. Muitos políticos, incluindo quatro presidentes dos EUA, saíram desta instituição.

John se tornou um dos principais recrutadores dos Jaycees, subindo rapidamente na hierarquia e em 1965 foi promovido a vice-presidente da organização. No entanto, ele atraiu participantes não com boas intenções, mas com a promessa de diversão e festas – isso era diferente do modelo tradicional de recrutamento Jaycees.

Gacy foi acusado por abuso sexual com menores

Em 1968, Gacy foi condenado por abusar de dois adolescentes. O primeiro trabalhava como faxineiro em um dos restaurantes do KFC: John o convidou para casa, deu-lhe uísque para beber e começou a sufocá-lo até perder a consciência.

Quando o adolescente voltou em si, ele o levou para casa e o demitiu no dia seguinte. O segundo menino assistiu repetidamente John e o outro adolescente.

Após reclamações de adolescentes, os promotores encontraram vários outros meninos que contaram sobre as ofertas de Gacy.

Sua esposa pediu o divórcio

Tentando negar as acusações, John pediu para ser testado em um detector de mentiras. Ele não passou no teste, após o qual ele confessou a sodomia, esperando uma pena suspensa, mas o tribunal o mandou para a prisão por 10 anos.

Enquanto Gacy estava em uma instituição correcional, seu pai morreu e sua esposa pediu o divórcio, recebendo a custódia dos filhos.

Gacy ficou preso apenas 18 meses

Graças ao bom comportamento, Gacy passou 18 meses atrás das grades, não 10 anos. Em 1970, ele foi libertado em liberdade condicional e foi para casa de sua mãe em Chicago.

Depois de morar com ela por vários meses, o homem comprou uma casa em 8213 West Summerdale. Logo, John se tornou um membro ativo da comunidade local – ele se juntou ao Partido Democrata e fundou a construtora e empreiteira PDM Contractors, onde contratou meninos para trabalho em meio período.

Oito meses após sua libertação, em 1971, um garoto desconhecido se entregou à polícia, dizendo que Gacy havia abusado dele. Nesse mesmo ano, outro adolescente o acusou de estupro.

Ambos os casos foram encerrados: no primeiro caso, o menino não foi depor e, no segundo, a vítima chantageou Gacy. Não se sabe por que, mas o conselho de liberdade condicional de Iowa nunca soube desse caso.

John se casou com Carol Hoff

Em 1972, John se casou com Carol Hoff e ela foi morar com ele com duas filhas de seu primeiro casamento.

Gacy matou Timothy McCoy – 1ª vítima

Em janeiro de 1972, Gacy pegou Timothy McCoy, de 15 anos, em um ponto de ônibus. Segundo ele, ele convidou o menino para sua casa, onde eles beberam, fumaram maconha e fizeram sexo. Depois que John foi dormir em outro quarto. Ao acordar, viu o adolescente com uma faca nas mãos na porta do quarto.

Pensando que queria atacá-lo, Gacy sacou uma faca e matou o jovem. Ao sair da sala, viu bacon e ovos na mesa da cozinha e percebeu que McCoy estava fazendo o café da manhã para ele. Ele pegou o corpo do adolescente e o enterrou no porão da casa.

Após o divórcio da esposa ele matou mais 6 meninos

Em 1973, o relacionamento entre John e sua esposa começou a se deteriorar. Em 1975, Hoff e sua sogra saíram para ajudar a irmã de John, que tinha sofrido um acidente.

Durante sua ausência, Gacy matou e enterrou no porão outro menino que trabalhava para ele. Em outubro do mesmo ano, a esposa disse a John que queria o divórcio, mas eles viveram juntos até fevereiro de 1976.

Todo esse tempo, o homem levou adolescentes para casa, pagou-lhes por sexo. Após o divórcio, em um ano, ele matou mais seis meninos.

Gacy se juntou à comunidade de palhaços Jolly Joker

Durante esse tempo, Gacy se juntou à comunidade de palhaços Jolly Joker. Ele criou duas imagens: o palhaço alegre “Pogo” e o palhaço sério “Patchy”.

Como palhaço, John se apresentava em hospitais infantis e em eventos da cidade, e ao mesmo tempo estuprava e matava adolescentes.

Em 1977, Jeff Rignall, de 27 anos, denunciou o estupro à polícia. Ele disse que “Pogo” o atraiu para um carro e aplicou clorofórmio nele, após o que Rignal desmaiou.

John o levou para casa, o algemou e o estuprou. No entanto, o conflito foi resolvido fora do tribunal – Gacy pagou à vítima US$ 3.000.

John Wayne Gacy conheceu a primeira-dama dos EUA Rosalynn Carter

Em 6 de maio de 1978, um serial killer liderou um desfile em homenagem ao Dia da Constituição da Polônia. Lá ele conheceu a primeira-dama dos EUA Rosalynn Carter.

Desaparecimento de Robert Pist

Em 11 de dezembro de 1978, Robert Pist, de 15 anos, preparava-se para fechar o turno da noite em uma farmácia onde trabalhava como vendedor. Por volta das nove da noite, sua mãe Elizabeth ia buscá-lo (neste dia eles planejavam comemorar o aniversário de 46 anos da mãe com toda a família).

Pist pediu à mãe que esperasse alguns minutos porque queria falar com um homem que lhe ofereceu um emprego com um salário de cinco dólares a mais do que uma farmácia.

Após essa conversa, Pist desapareceu. Elizabeth foi para casa e junto com o marido, dois filhos e dois pastores alemães começaram a procurar por Robert. Não tendo obtido sucesso, por volta da meia-noite, a mulher entrou em contato com a polícia.

No dia seguinte, o tenente Joe Kozenczak, cujo filho estudou na mesma escola que Pist, abriu uma investigação. Ele descobriu que o homem com quem Robert tinha falado era John Gacy.

Kozenchak o convocou para interrogatório às 23h, mas ele não compareceu. Neste momento, o homem descartou o corpo de Pist, que ele jogou no rio Des Plaines, porque não havia mais lugares em seu porão.

Busca na casa de John revela pistas de desaparecimentos

Às 15h20, John foi à delegacia e pediu para ver Kozenczak, mas foi mandado para casa. No mesmo dia, 13 de dezembro, começou uma busca em sua casa: a polícia encontrou um recibo do filme revelado, que pertencia a Pist. Eles não encontraram nenhum outro item relacionado a ele, mas decidiram que o adolescente estava na casa de Gacy.

A polícia começou a vigilância 24 horas por dia de John e, em 15 de dezembro, soube-se que o anel encontrado em sua casa pertence a John Schick, que desapareceu há dois anos.

Bêbado, Gacy diz aos advogados que havia matado vários adolescentes

Em 19 de dezembro, Gacy convidou dois policiais para tomar café da manhã em sua casa em West Summerdale, 8213. No mesmo dia, seus advogados entraram com uma ação de US$ 750.000 contra a polícia, dizendo que a polícia estava assediando seu cliente e realizando buscas ilegais.

Na noite de 20 de dezembro, Gacy planejava discutir os detalhes desse processo com seus advogados. John chegou bêbado à reunião, pegou um jornal da mesa com uma manchete sobre o desaparecimento de Robert Pist e disse:

“Esse menino está morto. Ele está morto. Ele está no rio.” Ele então começou a confessar ter matado adolescentes e enterrado seus corpos em sua casa.

Ele estava tão bêbado que em algum momento de sua confissão adormeceu e, quando acordou, disse que não tinha tempo e foi embora.

O Palhaço Assassino é preso

Após a reunião, um dos advogados contou à polícia sobre sua confissão. No dia 21 de dezembro, o palhaço assassino foi preso enquanto tentava vender um saco de maconha em um posto de gasolina. Durante outra busca, a polícia encontrou um buraco sob o chão da casa. Lá eles encontraram partes de pelo menos três corpos.

Falando de si mesmo na terceira pessoa, Gacy confessou o assassinato de 33 meninos. Ele enterrou 29 deles no porão e jogou os corpos de mais quatro, incluindo Pist, no rio Des Plaines. “Pogo” desenhou um diagrama grosseiro de enterros, após o qual as escavações começaram em sua casa.

Julgamento de Gacy: ele recebeu 12 setenças de morte

O julgamento de Gacy começou em 6 de fevereiro de 1980. Os advogados tentaram convencer o júri de que seu cliente era inocente porque tinha um transtorno mental.

Cinco semanas depois, o júri chegou a uma decisão – culpado de todos os 33 assassinatos. No dia seguinte, ele recebeu 21 sentenças de prisão perpétua e 12 sentenças de morte. Ao ouvir esta decisão, os familiares das vítimas aplaudiram.

Execução do Palhaço Assassino

A execução estava marcada para 2 de junho de 1980, mas só foi executada em 1994. Durante 14 anos, o palhaço “Pogo” estudou literatura jurídica e interpôs recursos nos tribunais de várias instâncias: tentou provar que não estava na cidade quando foram cometidos 16 dos 33 assassinatos, que era doente mental e que a pena de morte por injeção viola a constituição dos EUA.

Na prisão, Gacy se interessou pela pintura

Na prisão, Gacy se interessou pela pintura – ele pintou principalmente retratos de palhaços, que foram vendidos a galerias e colecionadores particulares. O custo de seu trabalho começou em US$ 200 e chegou a US$ 20.000. Muitas das pinturas foram compradas por parentes das vítimas para serem queimadas mais tarde.

O dinheiro que Gacy recebeu para atividades econômicas foi para sua manutenção e indenização aos parentes das crianças mortas.

Morte de John Gacy e última refeição

Em 10 de maio de 1994, John Gacy foi executado por injeção letal. Sua última refeição incluiu camarão frito e frango KFC.

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.