hotel flutuante

A história do primeiro hotel flutuante do mundo

Água é sinônimo de relaxamento, razão pela qual muitos hotéis são construídos perto dela, e alguns deles são até mesmo criados NA água. Existem vários na história da arquitetura, como um mini-hotel em New South Wales, Austrália. No entanto, hoje apresentamos a história do mais antigo hotel flutuante do mundo!

John Brewer Floating Hotel

Originalmente chamado de John Brewer Floating Hotel, foi construído em Cingapura e planejado para ser transferido para a costa australiana perto da Grande Barreira de Corais como o primeiro hotel flutuante do mundo, como era então conhecido.

No entanto, uma série de infortúnios e problemas financeiros fizeram com que o prédio caísse no Vietnã e depois na Coreia do Norte, onde sua história terminou.

Hotel flutuante como tudo começou

Doug Tarca, um mergulhador nascido na Itália que imigrou para a Austrália em 1935, era apaixonado pela Grande Barreira de Corais e por compartilhar sua beleza com o mundo. 

Depois de obter uma licença de pesca de corais e vários empreendimentos relacionados a recifes, ele se tornou uma figura chave no desenvolvimento do hotel flutuante. Foi ele quem teve a ideia de construir este lugar espetacular.

Conhecido como “paraíso no mar”, o John Brewer Floating Hotel,  operado pela Four Seasons, foi inaugurado em 1988 como um edifício flutuante de cinco andares

Foram cerca de 200 quartos, boates, bares e restaurantes, além de heliporto, quadra de tênis e um observatório subaquático com capacidade para 50 pessoas. 

O Floatel tinha 89,2 metros de largura e 27,6 metros de altura do nível do mar. Oficialmente, 98 pessoas trabalhavam lá, e até trezentos e cinquenta e seis convidados podiam descansar em cento e quarenta quartos duplos e trinta e quatro apartamentos de luxo.

História do hotel flutuante

Embora na visão de Tarca o hotel fosse oferecer a oportunidade de admirar a Grande Barreira de Corais, paradoxalmente, uma grande parte do coral teve que ser removida do recife John Brewer, onde o edifício estava localizado. Isso causou grande indignação entre os ambientalistas.

Infelizmente, o prédio flutuante também teve azar no ano em que começou a operar. Pouco depois de chegar de Cingapura, foi severamente danificado pelo Ciclone Charlie, que apareceu em Ayr, Queensland. O dano foi estimado em US $ 2.300.000.

O hotel acabou sendo um grande prejuízo financeiro para a empresa e foi colocado à venda. Além disso, a munição da Segunda Guerra Mundial foi encontrada pouco depois na lagoa John Brewer, a 5 quilômetros do prédio. 

No entanto, logo foi vendido e transferido para a cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã, onde operou com o nome de Saigon Floating Hotel  e por 10 anos funcionou como um local noturno favorito para muitas pessoas. 

Em seguida, foi levado para a região turística de Mount Kumgang, na Coreia do Norte, e renomeado para Hotel Haegeumgang. Na época, o prédio ficava na fronteira entre a Coréia do Norte e a Coréia do Sul e servia como atração para turistas.

Fechamento do hotel

Em 2008, dez anos após sua inauguração na Coréia do Norte, houve um incidente que levou ao fechamento do hotel – um turista sul-coreano foi baleado e morto nele por um soldado norte-coreano. 

O prédio permaneceu fechado até 2018, quando as autoridades dos dois países decidiram reabri-lo, mas depois de muitos anos de inatividade e ferrugem, até a Coréia do Norte não quis cuidar do local.

Isso, por sua vez, resultou em planos para demolir e reconstruir totalmente o prédio para que ele atendesse às qualidades estéticas da Coreia do Norte. Diz-se que marca o fim do primeiro hotel flutuante do mundo.

O hotel navegou um total de 14.000 quilômetros da Grande Barreira de Corais, através do Vietnã, até a Coréia do Norte. 21 anos tiveram que se passar para que o próprio Kim Jong Un visitasse o prédio e criticasse sua aparência sombria.

hotel flutuante

Autor(a): Handreza Hayran

Handreza Hayran é editora do Foco e Fama e autoproclamada especialista das curiosidades obscuras da cultura pop.

Greta Thunberg: biografia

Chris Watts

Chris Watts diz “Eles me perseguem na prisão”