Kim Jong-un disse que a Coreia do Norte enfrenta a “pior situação de sua história”

O líder norte-coreano Kim Jong-un reconheceu na terça-feira que seu país está enfrentando a “pior situação de sua história” durante um discurso a milhares de membros do partido no poder durante uma grande conferência política em Pyongyang.

Especialistas dizem que Kim enfrenta talvez seu momento mais difícil em quase uma década no poder, com o isolamento do coronavírus causando mais problemas em uma economia já devastada por décadas de má gestão e sanções incapacitantes lideradas pelos Estados Unidos para seu programa de armas nucleares.

Kim fez os comentários durante o discurso de abertura em uma reunião de secretários de células do Partido dos Trabalhadores, informou a Agência Central de Notícias do estado.

“A melhoria do padrão de vida da população, mesmo na pior situação da história em que temos que superar muitos desafios sem precedentes, depende do papel desempenhado pelas células, as organizações de base do partido, disse Kim.

O presidente pediu aos membros que implementassem as decisões tomadas em um congresso em janeiro, quando prometeu fortalecer sua dissuasão nuclear diante da pressão dos EUA e anunciou um novo plano de desenvolvimento de cinco anos. 

Essa reunião ocorreu meses depois, durante outra conferência política, Kim mostrou uma franqueza incomum ao reconhecer que seus planos para melhorar a economia não estavam dando certo.

Coreia do Norte e a pandemia

A Coréia do Norte informou à OMS que até 1º de abril realizou testes diagnósticos para coronavírus em 23.121 pessoas, sem registrar nenhuma infecção, conforme confirmado pela agência à AP.

Analistas externos levantaram dúvidas sobre se a Coreia do Norte foi totalmente poupada da pandemia, devido à sua infraestrutura de saúde precária e uma fronteira porosa compartilhada com a China.

Durante a pandemia, o regime comunista restringiu severamente o trânsito, proibiu a chegada de turistas, retirou diplomatas e mobilizou profissionais de saúde para colocar em quarentena dezenas de milhares de pessoas que apresentaram sintomas.

A Coreia do Norte se tornou esta semana o primeiro país a se retirar das Olimpíadas de Tóquio devido ao medo do coronavírus.