Como Helen Keller superou probabilidades impossíveis

Handreza Hayran
3 Minutos de Leitura
Helen Keller

Apesar de sua deficiência, a escritora surdo-cega Helen Adams Keller defendeu a igualdade das mulheres e luta pelos direitos dos negros. Por causa de seu compromisso, ela foi chamada de “Anjo dos Cegos”.

Helen Keller nasceu em 27 de junho de 1880 como uma criança saudável no Alabama, EUA. Quando ela não tinha nem dois anos de idade, ela ficou gravemente doente e, posteriormente, perdeu a visão e a audição. Pouco tempo depois, ela também parou de falar.

A criança anteriormente animada e feliz se retraiu. Ela quase não aparecia mais em público, afinal ela não sabia se comunicar.

Em 1887, seus pais preocupados chamaram a professora Anne Sullivan para ajudar. Treinada para ensinar crianças cegas, ela também deu a Helen Keller nova coragem para enfrentar a vida.

Com o chamado alfabeto dos dedos – as letras são escritas na palma da mão – Helen floresceu novamente.

Ela aprendeu Braille

Mais tarde, ela aprendeu Braille, desenvolvido pelo francês Louis Braille, e como digitar em uma máquina de escrever. 

Depois de também aprender a falar, ela se matriculou no Radcliffe College em Boston para estudar várias línguas estrangeiras. Em 1904 ela obteve graduação.

Como Helen Keller mudou o mundo?

Helen Keller vivenciou em primeira mão a situação das pessoas excluídas da sociedade. Por isso mudou de função depois dos estudos: deixou de ser a aluna, mas passou a cuidar ela mesma de cegos ou surdos. 

Como membro da Comissão para Cegos de Massachusetts, ela foi convidada para muitas reuniões no exterior.

Lá ela deu palestras sobre a vida com deficiência. Mais tarde, ela também se voltou para os direitos dos negros e a igualdade entre homens e mulheres.

Em 1924 ela fundou a International Helen Keller Organization, que pesquisava visão, saúde e nutrição. Ela começou a ser chamada de “o anjo dos cegos”.

Durante sua vida, a escritora escreveu dez livros (por exemplo, “The Story of My Life”, “Optimism” ou “Darkness”), que sempre tratavam de sua própria vida.

Hoje existem inúmeros livros e até adaptações cinematográficas dedicados à arte de como as pessoas surdo-cegas lidam com seu destino. Elas são sempre inspiradas pela coragem de Helen Keller para enfrentar a vida.

Andar no escuro com um amigo é melhor do que andar sozinho na luz.Helen Keller

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.