Cervantes: o homem que nos deu Dom Quixote

Handreza Hayran
9 Minutos de Leitura
miguel de cervantes

Miguel de Cervantes Saavedra é um famoso escritor espanhol. Ganhou fama mundial após a publicação do romance “Dom Quixote de La Mancha“.

Vamos conhecer histórias fascinantes sobre o autor de Dom Quixote.

Miguel de Cervantes é espanhol

Miguel de Cervantes é da Espanha. Ali, na pequena cidade de Alcalá de Henares, em 29 de setembro de 1547, nasceu o futuro escritor de renome mundial.

O recém-nascido foi batizado duas semanas depois, em 9 de outubro, na igreja de Santa Maria la Mayor, sobre o qual foi feito um registro correspondente.

O sobrenome Saavedra ele acrescentou depois

Muitos acreditam que o nome completo do escritor – Miguel de Cervantes Saavedra, herdou de seus ancestrais, mas não é assim.

O prefixo Saavedra foi adicionado ao seu sobrenome muitos anos depois, possivelmente em homenagem à sua bisavó paterna.

Há outra versão, segundo a qual o escritor a acrescentou em 1580, quando retornou do cativeiro argelino, em homenagem a um dos heróis do épico Romancero.

O pai de Miguel de Cervantes era cirurgião

O nome do pai de Miguel era fidalgo Rodrigo de Cervantes, ele era cirurgião.

Em 1540, casou-se com Dona Leonor de Cortina, filha de um fidalgo que perdera a fortuna. Miguel foi o quarto de sete filhos nascidos deste casamento. Ele tinha três irmãos e três irmãs.

Não há dados exatos sobre os anos de infância do escritor. Os historiadores sugerem que a família muitas vezes se mudou de uma cidade espanhola para outra.

Alguns afirmam que ele estudou na Escola Imperial de Madri, uma escola jesuíta masculina. A prova disso é a menção da presença da ordem da Igreja Católica Romana em uma das obras de Cervantes – “Romances instrutivos”.

De acordo com outro ponto de vista, Cervantes se formou na Universidade de Salamanca. Embora ambas as versões sejam questionáveis.

Miguel foi para a Itália após se envolver em uma briga na Espanha

Aos 22 anos, Miguel se envolveu em uma briga e temendo ser preso, Cervantes deixou sua Espanha e foi para a Itália.

Foi em Roma que Miguel conheceu de perto a arquitetura, as belas artes e a poesia do Renascimento.

As obras literárias do escritor da época estão repletas de folclore italiano.

Miguel foi convocado para o serviço militar

Em 1570, Miguel foi convocado para o serviço militar, que serviu na Marina, regimento espanhol de fuzileiros navais. A primeira vez que Cervantes estava em batalha apenas um ano depois, em 7 de outubro de 1571.

No momento em que a batalha começou, o escritor estava com febre, mas ele ainda correu para a batalha. Ele disse que estava pronto para morrer por Deus e pelo rei.

Nesta batalha, ele foi gravemente ferido três vezes. Duas balas perfuraram o peito do futuro escritor, e a terceira atingiu sua mão esquerda.

Cervantes foi tratado por seis meses, ele voltou ao serviço apenas em 1572.

No outono de 1575, o escritor deixou Nápoles e foi para Barcelona, ​​levando consigo cartas de recomendação ao rei espanhol, escritas pelo comandante do regimento.

Listavam os méritos militares de Cervantes e continham um pedido de promoção. No entanto, o destino veio com um novo teste para ele. Na madrugada de 26 de setembro, corsários atacaram o navio de Miguel e o abordaram.

Miguel de Cervantes ficou em cativeiro na Argélia por 5 anos

O futuro escritor e seu irmão Rodrigo (como dizem algumas fontes) foram levados para a Argélia. Assim, os jovens ficaram em cativeiro por longos cinco anos, até 1580.

Quatro vezes Cervantes organizou uma fuga, mas sem sucesso. Como resultado, os pais tiveram que pagar uma grande quantia pela liberdade de seus filhos.

A presença da carta de recomendação fez com que o preço da vida de Cervantes aumentasse várias vezes.

Miguel foi preso

Voltando do cativeiro, Miguel se instalou na casa de seus pais em Madri. Naquela época, ele já estava escrevendo suas obras, mas o dinheiro era tão escasso que não podia nem alimentá-lo. Assim, simultaneamente com a criatividade, Cervantes foi obrigado a procurar trabalho regular.

Na Andaluzia, o escritor conseguiu um emprego como agente de compras para a frota espanhola. Tentou encontrar produtos com os melhores preços, e só depois realizou a compra de petróleo, grãos e outros bens. Depois disso, ele teve que entregá-los ao navio.

Um dia, Miguel deixou dinheiro para o banqueiro, que gastou tudo. Por isso, Cervantes foi julgado e teve que cumprir vários meses de prisão. Muito provavelmente, foi lá que a ideia de criar Dom Quixote veio a Miguel.

Depois disso, ele encontrou trabalho como contador e cobrador de impostos.

Em 1610 ele começou a receber uma pensão real

E somente em 1610 ele recebeu uma pensão real, o que lhe permitiu não trabalhar e fazer sua coisa favorita – literatura. O escritor recebeu uma pensão até sua morte em 1616.

Miguel casou-se em 12 de dezembro de 1584

Não apenas muitos fatos da biografia do famoso escritor permaneceram desconhecidos, a vida pessoal de Cervantes também está envolta em um halo de mistério. Miguel casou-se em 12 de dezembro de 1584 com a nobre Catalina Palacios de Salazar.

Naquela época, o escritor tinha 37 anos, sua escolhida tinha apenas 19. Ela recebeu um bom dote, o que permitiu que os cônjuges vivessem confortavelmente por algum tempo.

Ao mesmo tempo, a atriz Ana de Rojas deu à luz a filha ilegítima do escritor, Isabel. Mas a vida familiar de Cervantes não deu certo, no final dos anos 80 o casamento se desfez.

Morte de Miguel de Cervantes

Miguel de Cervantes morreu em 22 de abril de 1616. Ele morreu em sua casa em Madri.

Os médicos modernos descobriram a causa da morte e descobriu-se que o escritor sofria de diabetes tipo 2, o que provocou o desenvolvimento de cirrose hepática.

É por isso que durante vários anos antes de sua morte, Miguel foi constantemente atormentado pela sede.

O escritor deixou um testamento, onde indicou o local da sua sepultura, na parte central da capital espanhola. Em 1673, iniciou-se a reconstrução deste mosteiro, e os restos mortais de Cervantes, juntamente com outras pessoas, foram enterrados em local seguro.

Em 2014 os arqueólogos encontraram uma cripta com os restos mortais de Miguel de Cervantes

Somente em 2014, os arqueólogos encontraram uma cripta com os restos mortais de dez pessoas.

Para verificar a autenticidade do achado, eles compararam os retratos do escritor que sobreviveram até hoje, depois encontraram vestígios de três ferimentos de bala e apenas seis dentes que Miguel tinha antes de sua morte.

Os arqueólogos certificaram-se de que os restos realmente pertencem a Cervantes.

Em 11 de junho de 2015, eles foram transferidos para um mosteiro, enterrados e uma lápide foi erguida com a inscrição “Miguel de Cervantes Saavedra”.

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.