A trágica vida de Maria Schneider: Do abuso sexual na cena de “Último Tango em Paris” às tentativas de suicídio

Handreza Hayran 11/03/2022
Atualizado 20/06/2022 22:25
6 Minutos de Leitura
Maria Schneider

A história de vida da atriz francesa Maria Schneider, filha do modelo e ator Daniel Gelin, que não reconheceu a filha, é extremamente triste e dramática.

Aos dezenove anos, tornou-se conhecida no mundo todo, estrelando com o famoso Marlon Brando no lendário filme de Bernardo Bertolucci “Último Tango em Paris”, lançado em 1972.

Lançado em 1972, o filme, apesar do entusiasmo dos críticos, foi recebido com indignação pública generalizada, o que resultou na proibição de exibição do filme nos cinemas.

O homem, uns trinta anos mais velho que a jovem de jeans e bobes, vira-a com certa violência e baixa-lhe o rosto. Ele fica atrás dela. Então, ele abaixa as calças dela e pega um pedaço de manteiga como lubrificante e a estupra. A jovem chora lágrimas de verdade.

Ele é o famoso Marlon Brando, 48 anos. Ela, a nova atriz Maria Schneider, 19 anos. O filme que está sendo filmado é ‘O Último Tango em Paris’ e é dirigido pelo famoso cineasta italiano Bernardo Bertolucci.

Embora o estupro em si seja encenado, o que acaba de acontecer lá (será conhecido muitos anos depois) é um abuso. Porque houve uma ação sem consulta e tramada pelas costas da vítima.

Contaremos o antes e o depois daqueles minutos da história de Maria Schneider que mudaram sua existência.

Infância de Maria Schneider

Privada do afeto do pai, Maria foi criada apenas pela mãe; sua infância dificilmente pode ser chamada de feliz.

O desejo de mudar o destino foi o motivo da mudança para Paris. Ela fugiu de casa aos 15 anos. Maria foi gentilmente apoiada pela própria Brigitte Bardot, que conheceu a menina graças ao pai, que foi parceiro da estrela em muitos filmes.

Maria Schneider sonhava em se tornar uma modelo de moda, no entanto,logo sua carreira como atriz começou, os primeiros filmes em que a garota estrelou foram The Old Maid (1972) e Elle (1972).

Cena de “Último Tango em Paris”

O enredo do filme fala do caso apaixonado da jovem Jeanne com Paul, um viúvo estrangeiro sádico e abusivo cuja esposa cometeu suicídio.

Durante anos nada foi dito sobre os detalhes das filmagens e do plano cinematográfico em questão.

Em 2007, Maria Schneider deu uma entrevista ao Daily Mail em que revelou que a famosa cena do filme, em que o personagem interpretado por Brando usa manteiga para sodomizá-la, não teve seu consentimento.

“Essa cena não estava no roteiro: “Fui informada pouco antes de filmar. Eu deveria ter chamado meu agente ou ter um advogado no set, porque você não pode forçar alguém a fazer algo que não está no roteiro, mas eu não sabia disso. Marlon me disse para não me preocupar, que era só um filme, mas eu estava chorando muito (…) me senti muito mal, porque tinham me tratado como um símbolo sexual e eu queria ser reconhecida como atriz. Para ser sincera, me senti humilhada. Me senti um pouco violada por ambos (…)”.

Em 2013, dois anos após a morte de Maria Schneider, quem confessou foi o próprio Bernardo Bertolucci. 

Na reportagem contou como foi concebida aquela cena pela qual o filme sempre seria lembrado.

O último tango em Paris foi um sucesso apesar de ter recebido denúncias por obscenidade e censura em vários países. No Brasil só pôde ser visto em 1979. Mesmo assim, o filme foi indicado em 1973 ao Oscar nas categorias de melhor ator e melhor diretor, mas não obteve nenhum.

Maria Schneider x drogas

Após a terrível experiência, no entanto, Maria continuou com sua carreira. Em 1974, Maria se animou e saiu do armário: anunciou que era bissexual.

Os anos setenta foram para Maria anos de intensa experimentação com diferentes drogas e viagens por hospitais psiquiátricos.

Ela odiava seu sucesso com Last Tango in Paris , ela odiava ser considerada um símbolo sexual, ela odiava a fama... Para esquecer seu ódio, ela recorreu à maconha, cocaína, LSD e heroína. Em várias ocasiões, ela até tentou morrer.

Ao Daily Mail , ele admitiu:“Eu não gostava de ser famoso, e as drogas eram a minha saída. Tentei me matar duas ou três vezes tomando pílulas, mas toda vez que eu fazia, eu acordava quando a ambulância chegava. Eu sobrevivi porque Deus decidiu que não era minha hora de partir.”

Morte de Maria Schneider

Maria morreu em Paris, aos 58 anos, de câncer que se espalhou nos pulmões.

Compartilhe este Post