Ruth Ginsburg

Quem foi Ruth Ginsburg: o ícone pop da justiça americana

A juíza da Suprema Corte dos Estados Unidos e a defensora dos direitos da mulher, Ruth Bader Ginsburg, morreu em 18 de setembro em sua casa em Washington aos 87 anos. A causa da morte foram complicações de câncer, contra o qual ela lutava desde 1999.

A mulher se tornou para os Estados Unidos um símbolo do feminismo, da luta pela igualdade de gênero e contra a discriminação de gênero, hoje é frequentemente chamada de ícone pop da justiça americana.

Veja quem foi Ruth Ginsburg e por que sua morte se tornou tão importante para a política americana.

Vida de Ruth Ginsburg

Joan Ruth Bader Ginsburg nasceu na cidade de Nova York no auge da Grande Depressão em 1933 em uma família de imigrantes judeus. Seu pai fugiu de Odessa, que na época fazia parte do Império Russo, e sua mãe nasceu em Nova York em uma família de judeus austríacos. 

A família chamava Joan Ruth de “Kiki” (do verbo chutar) por chutar muito quando criança. 

Quando a menina foi para a escola e foi descoberto que havia várias outras crianças chamadas Joan em sua classe, a mãe sugeriu à professora que chamasse sua filha de Ruth para evitar confusão. 

Ruth Ginsburg frequentou o Centro Judaico de East Midwood

Embora a família Bader não fosse devota, Ruth frequentou o Centro Judaico de East Midwood e a sinagoga conservadora.

Ruth entrou na Cornell University, onde conheceu seu marido Martin Ginsburg, com quem foi casada por 56 anos até sua morte em 2010. 

Em 1956, Ginsburg se tornou uma das nove mulheres admitidas na Harvard Law School e depois transferida para a Columbia University. Ruth tinha excelentes características de professores, mas após a formatura ela não conseguiu encontrar um emprego por um longo tempo. 

Ginzburg acreditava que as razões eram porque ela era “judia, mulher e mãe”.

De 1961 a 1963, Ginsburg trabalhou como Pesquisadora e, em seguida, como Diretor Associado do Projeto da Escola de Direito de Columbia sobre Procedimento Internacional, estudou sueco para escrever um livro sobre processo civil na Suécia com Anders Bruzel. 

Em 1963, Ginsburg recebeu sua primeira cátedra na Rutgers Law School, onde foi imediatamente informada de que receberia menos do que seus colegas homens porque seu marido tinha um alto salário. 

Na época em que Ginsburg começou sua carreira acadêmica, havia menos de vinte professoras de direito nos Estados Unidos.

Ruth atingiu o ápice de sua carreira jurídica em 1993, quando o presidente Bill Clinton a nomeou um dos nove juízes da Suprema Corte dos Estados Unidos a serem eleitos vitalícios.

Ruth Ginsburg se tornou a segunda juíza da Suprema Corte depois que Ronald Reagan indicou Sandra Day O’Connor em 1981.

Ruth Ginsburg se tornou a primeiro democrata na Suprema Corte em 26 anos. Desde 2010, Goaw Ruth liderou efetivamente a ala liberal da Suprema Corte, que incluía quatro juízes, incluindo três mulheres.

Combatendo a desigualdade

“Minha mãe sempre me disse duas coisas. Uma era para ser uma senhora. A segunda era ser independente. Na minha época, as mulheres não estudavam direito. Para a maioria das meninas que cresceram na década de 1940, o status de ‘Sra.’ Era muito mais importante do que o status de solteiro.”- lembrou Ruth.

Mesmo em 1972, Ruth Ginsburg foi a co-fundadora da organização para a proteção dos direitos das mulheres projeto de direitos das mulheres na União Americana de Liberdades Civis em 1974, a organização e seus projetos associados participaram da análise de mais de 300 casos de discriminação de gênero.

Em vez de pedir ao tribunal que acabasse com toda a discriminação de gênero, Ginsburg adotou uma abordagem diferente – ela visava a estatutos discriminatórios específicos e confiava em cada vitória sucessiva.

Em particular, ela selecionou cuidadosamente os querelantes, ocasionalmente defendendo homens para demonstrar que a discriminação de gênero prejudica a todos.

Assim, Ruth Ginsburg provou que pais divorciados deixados com filhos têm direito a pensão alimentícia, e viúvos com filhos – a benefícios.

Na Suprema Corte, Ruth Ginsburg continuou a defender os direitos das mulheres e lutou contra o sexismo. Um dos primeiros casos notáveis ​​de Ginsburg foi o caso “EUA v. Virgínia”, em consequência do qual não só homens, mas também mulheres começaram a ser admitidos no Instituto Militar do Estado.

O próprio conceito de “gênero” passou a ter uso legal graças a ela – por conselho de sua secretária, Ruth passou a utilizá-lo no lugar da palavra sexo, que denota sexo biológico, para não confundir os participantes do processo.

Como disse mais tarde a ex-secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, “a juíza Ginsburg abriu o caminho para muitas mulheres, inclusive eu”.

Ginsburg também falou sobre várias questões polêmicas relacionadas à discriminação e à desigualdade social. Em particular, ela lutou pela permissão do casamento do mesmo sexo em todos os Estados Unidos e defendeu o direito ao aborto.

Popularidade de Ruth Ginsburg

Ruth Ginsburg tornou-se para os Estados Unidos um símbolo do feminismo, da luta pela igualdade de gênero e contra a discriminação de gênero; hoje ela é frequentemente chamada de ícone pop da justiça americana, e os retratos são impressos em camisetas, canecas e outros souvenirs. 

A biografia de Ginsburg, Notorious RBG: The Life and Times of Ruth Bader Ginsburg, foi publicada em 2015 e atingiu a lista de mais vendidos no dia seguinte ao de seu lançamento. 

Em 2018, um filme biográfico dedicado a ela com o título revelador “On the Basis of Sex” foi lançado com Felicity Jones como Ruth e Armie Hammer como seu marido Martin.

No site do Kickstarter, você pode até comprar uma cópia em miniatura de Ruth com a bandeira da América ou com um martelo em uma das mãos e um dedo estendido na outra.

As revistas de moda consideram Ginsburg um ícone do estilo, entre outras coisas, por sua coleção de colarinhos e joias de pescoço, que servem como sua alternativa à gravata masculina.

Por exemplo, seus colegas e jornalistas notaram que ela usava um colar de ouro como um “colar de dissidência” e o coloca quando não compartilha da opinião da maioria dos juízes da Suprema Corte. Em particular, ela o usou quando Donald Trump assumiu como presidente.

Doença de Ruth Ginsburg

Em 1999, Ginsburg foi diagnosticada pela primeira vez com câncer retal, ela foi submetida a cirurgia e quimioterapia. 

Em 2009, ela foi diagnosticada com câncer de pâncreas em estágio inicial, que foi operada novamente. Em 2014, Ginsburg foi submetido a cirurgia de revascularização do miocárdio.

“Quando fui diagnosticado com câncer de pâncreas em 2009, um senador anunciou alegremente que eu morreria em seis meses. Já esqueci o nome desse senador, porque ele morreu, e até estou viva”, Ruth lembrou mais tarde.

Em 2018, Ginzburg caiu e quebrou três costelas, após o que, durante os exames no hospital, o juiz encontrou dois nódulos malignos no pulmão esquerdo

Então, durante a reabilitação após a remoção do tumor, Ruth pela primeira vez na história de sua carreira faltou à audiência no tribunal, mas continuou a trabalhar em casa e monitorar de perto o processo.

Ruth Ginsburg morreu em casa com sua família.

Quem foi Ruth Ginsburg: o ícone pop da justiça americana via @focoefama

Autor(a): Handreza Hayran

Handreza Hayran é editora do Foco e Fama. Acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.
Também é apaixonada por séries, música, cinema e tudo o que é tecnológico.