Sobreviventes do Titanic: história e destino

Handreza Hayran
16 Minutos de Leitura
Joseph Philippe Lemercier
Joseph Philippe Lemercier

Quase todo mundo sabe que mais pessoas morreram quando o Titanic afundou do que sobreviveram. Mas poucos sabem como os sobreviventes do Titanic se sentiram após a tragédia.

Eles desembarcaram em Nova York com desejo pela vida e a determinação de fazer algo útil? Ou passaram o resto de seus dias atormentados?

Depois de ler o artigo até o fim, você descobrirá:

  • Quem sobreviveu ao Titanic?
  • As histórias reais dos passageiros sobreviventes do Titanic;
  • Fotos de sobreviventes no Titanic;
  • Quem foi o último passageiro do Titanic?

Então, aqui estão algumas das histórias daqueles que sobreviveram ao Titanic.

1 – Jack Thayer – cometeu suicídio em 1945

Jack Thayer tinha apenas 17 anos na época da tragédia. Durante o caos, ele perdeu os pais de vista e os procurou a bordo do Titanic quase até o fim.

Quando o navio afundou, Thayer saltou na água fria e se agarrou aos restos do bote salva-vidas quebrado. Mais tarde, ele foi pego por outro barco.

A mãe de Thayer também sobreviveu, mas seu pai não. 

De acordo com o The Independent, Thayer se casou e teve seis filhos. Mas ele nunca falou do Titanic. Tornou-se banqueiro e parece ter levado uma vida bastante feliz, embora evitasse o mar.

Mas Thayer não conseguiu ignorar suas memórias por toda a vida. Quando seus filhos se tornaram adultos, ele escreveu uma carta sobre o naufrágio do Titanic. Depois disso, de acordo com histórias, Jack ficou nervoso.

Em 1943, o filho de 22 anos de Thayer morreu quando o avião que ele pilotava caiu no Oceano Pacífico. Seis meses depois, a mãe de Thayer morreu, apenas um dia antes do 32º aniversário da morte de seu pai.  

Essas perdas fizeram com que Thayer tivesse um colapso nervoso e uma depressão prolongada. Ele cometeu suicídio em 18 de setembro de 1945.

2 – Madeleine Astor – morreu devido a overdose de pílulas

Um dos passageiros mais famosos do Titanic foi John Jacob Astor IV, um rico financista. Ele viajou na primeira classe com sua esposa grávida, Madeleine.  

Nos primeiros minutos após a colisão, Astor zombou da ideia de entrar no barco, mas por volta de 1h45 mudou de ideia. 

John ajudou Madeleine a descer no barco, mas ele próprio permaneceu no convés. Disseram-lhe que os barcos eram apenas para mulheres e crianças. Astor se afogou com o Titanic.

Mesmo assim, Madeleine sobreviveu e se tornou uma viúva incrivelmente rica aos 18 anos

De acordo com o The Independent, condições adversas acompanharam sua riqueza. Para usufruir do dinheiro, ela não tinha permissão para se casar.  

Mas no final, o amor prevaleceu sobre Madeleine, e ela decidiu desistir da fortuna para se casar com um amigo de infância. Ela viveu com ele até 1932. 

Em 1932, a sobrevivente do Titanic fugiu com um jovem italiano. Um ano depois, eles se casaram, embora ambos estivessem oficialmente casados ​​na época.

Madeleine Astor morreu em 1940. Oficialmente, a causa de sua morte foi insuficiência cardíaca. Extraoficialmente – uma overdose de pílulas para dormir.

3 – Michelle e Edmond Navratil – 2 crianças que haviam sido raptadas pelo pai foram sobreviventes do Titanic

Sabemos mais sobre o destino dos passageiros sobreviventes da primeira classe do Titanic, porque naquela época se acreditava que só os ricos eram os que valia a pena falar.  

Menos se sabe sobre as pessoas que viajam na segunda e terceira classe. 

Isso é especialmente lamentável, uma vez que a maior porcentagem de mortes (76%) ocorreu em passageiros de terceira classe. Dos que viajam na segunda classe, 58% morreram, a primeira – 39%. 

Michelle e Edmond Navratil (2 e 4 anos respectivamente) navegaram na segunda classe. Seu pai os levou para a América sem o conhecimento de sua mãe, então eles viajaram com nomes falsos.  

Depois que o navio colidiu com o iceberg, o pai colocou os meninos em um bote salva-vidas, enquanto ele próprio permaneceu no navio que afundava.

Michelle e Edmund foram as únicas crianças sobreviventes no Titanic, não acompanhadas por nenhum adulto. Eles não falavam inglês, então, após a tragédia, eles não sabiam quem eram.  

Mesmo depois que um intérprete foi encontrado em Carpathia, nenhum dos meninos conseguiu dizer nada articulado.

Pouco depois, a mãe dos “órfãos” viu a fotografia deles no jornal e reconheceu os filhos. Ela não tinha ideia de que eles estavam a bordo do Titanic.

Os irmãos que sobreviveram no Titanic voltaram para a França, onde permaneceram até o fim de seus dias. Edmond morreu aos 40 e Michelle viveu até os 92.

4 – Dorothy Gibson atriz – uma das sobreviventes do Titanic

Em abril de 1912, Gibson estava voltando para casa de férias em Paris. Depois que o Titanic colidiu com um iceberg, ela embarcou em um bote salva-vidas com sua mãe e alguns conhecidos.

Quase imediatamente após chegar a Nova York, Gibson começou a filmar Rescued from Titanic, um filme sobre a tragédia – estrelando ela mesma. 

No filme, Dorothy usava a mesma roupa da noite do desastre. Segundo seus contemporâneos, ela se comportava com muito mais confiança no cinema do que na vida real.

Após o final das filmagens, Gibson se casou com o ator do mesmo filme, Jules Brulatour. Mas seu casamento acabou em 1919.

Gibson mudou-se para a Europa e acabou em Florença durante os piores anos da Segunda Guerra Mundial. Em 1943, ela foi presa e enviada para um campo de concentração nazista.

Lá ela sobreviveu e se estabeleceu em Paris após a guerra. Dorothy Gibson morreu em fevereiro de 1946 de ataque cardíaco.

5 – Charles Johin – padeiro do Titanic (sobreviveu a 3 acidentes com navio)

Muitas pessoas que sobreviveram ao naufrágio do Titanic, para dizer o mínimo, tiveram medo de se aproximar do mar novamente. Mas alguns passageiros não foram abrangidos por esta regra. Um deles era Charles Johin, o padeiro do navio.

Como Johin conseguiu sobreviver é um mistério, pois, em suas próprias palavras, ele esteve na água por muito tempo.

Lembre-se de que a temperatura da água naquela noite era de -2 graus. Isso é o suficiente para matar uma pessoa em alguns minutos. 

Johin afirmou ter estado na água por mais de duas horas antes de ser pego a bordo de um barco salva-vidas. 

De acordo com uma versão, Charles estava muito, muito bêbado. Se o álcool não o aquecia, definitivamente o impedia de entrar em pânico.

Após severas provações, Johin continuou a trabalhar em navios. E… a tragédia do Titanic não se tornou seu último naufrágio.  

Em 1916, ele estava servindo em um navio chamado SS Congress quando o navio pegou fogo. Em 1941, seu outro navio foi acidentalmente atingido por outro navio.  

Johin morreu em 1956. Não no mar.

6 – Violet Jessop – (garçonete)

O Titanic tinha dois irmãos gêmeos: Olympic e Britannica. O Titanic era o maior de todos – 10 cm mais longo que o Olympic.

O Britannic era o menor em tamanho e foi construído após o desastre do Titanic. Ele estava usando todos os recursos de segurança mais recentes… mas ele afundou mesmo assim.

De qualquer forma, todos os três navios de passageiros de luxo precisavam de garçons. Um deles (primeiro a bordo do Olympic) foi Violet Jessop, de 24 anos.  

Em 1911, quando o Olympic colidiu com o cruzador blindado britânico HMS Hawke, Jessop sofreu seu primeiro acidente naval. O Olympic não afundou e o acidente não incomodou Jessop em particular.  

Em 1912, Violett foi transferida para o Titanic. E então ela conseguiu sobreviver ao acidente. 

Um pouco depois, Jessop começou a trabalhar como enfermeira no Britannic – durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1916, o navio colidiu com uma mina e afundou. Jessop sobreviveu novamente.

Apesar da rápida inundação, apenas 30 das 1605 pessoas no Britannic foram mortas. 

Jessop continuou a trabalhar em navios e aposentou-se em 1950. Ela morreu em 1971 com 84 anos.

7 – Frederick Fleet – um dos sobreviventes do Titanic cometeu suicídio

Os sobreviventes do Titanic sofreram traumas mentais para o resto de suas vidas. Muitos sentiram “culpa do sobrevivente”, mas alguns tinham uma condição especial – a sensação de que poderiam fazer algo para evitar esse terrível desastre.

Frederick Fleet foi um deles. Foi ele quem percebeu o iceberg por volta das 23h40. Ele imediatamente tocou a campainha e correu para os anciãos com as palavras “o iceberg está bem na nossa frente”.

Mas ele não foi rápido o suficiente, e o Titanic não conseguiu escapar da colisão.

Em seguida, Fleet recebeu ordens de remar em um barco salva-vidas – assim, ele conseguiu evitar a morte. Pelo resto de sua vida, ele argumentou que a tragédia poderia ter sido evitada se houvesse binóculos.

A frota continuou a trabalhar no mar até 1936. Depois disso, ele se tornou construtor de navios.

Logo ele se casou e teve uma filha. Depois que sua esposa morreu em 1964, o genro de Fleet o expulsou de casa.

Frederick Fleet cometeu suicídio apenas duas semanas depois.

8 – Masabumi Hosono – um dos sobreviventes do Titanic foi o único japonês a sobreviver

Os oficiais a bordo do Titanic levaram o princípio “mulheres e crianças primeiro” tão a sério que, em alguns casos, era “apenas mulheres e crianças”. Os homens que tentaram chegar aos barcos foram considerados covardes.

Após a tragédia, os homens que sobreviveram no Titanic também sofreram pressão pública.

Por exemplo, considere Masabumi Hosono, o único japonês a sobreviver ao naufrágio do Titanic. Ele estava no lugar certo na hora certa.

O oficial que enchia o barco perto de onde Hosono estava estacionado anunciou que havia mais dois lugares restantes nele. Hosono foi um dos dois homens que embarcaram no barco. 

Ele sobreviveu a uma terrível tragédia e se tornou conhecido como o maior covarde de seu país. 

Hosono caiu em desgraça em sua terra natal porque viveu enquanto muitos outros morreram. 

Sua história até apareceu em livros didáticos como um exemplo de comportamento vergonhoso e antiético.  

Hosono morreu em 1939. Segundo familiares, ele nunca se recuperou das consequências de sua “sobrevivência”.

Sua família também sofreu por gerações, e a palavra “Hosono” foi sinônimo de vergonha no Japão. Foi só quando o neto de Masabumi publicou alguns dos escritos de seu avô que seu desprezo por Hosono finalmente começou a desaparecer.

9 – J. Bruce Ismay 

Se você se gabar para o mundo de que seu navio é inafundável e depois afundar, você provavelmente deveria afundar com ele.  

Pelo menos essa era a opinião pública de J. Bruce Ismay, presidente da White Star Line. Ele estava no Titanic e se tornou um dos poucos homens a conseguir um assento no barco salva-vidas.  

Após a tragédia, Ismay tornou-se objeto de crítica universal.

Ismay foi considerado inocente, mas sua reputação nunca foi restaurada. Ismay viveu lá tranquilamente até 1937, quando morreu de derrame.

10 – Molly Brown

A sobrevivente do Titanic mais famosa é Molly Brown. Após o desastre, merecidamente começaram a chamá-la de “Molly Brown inafundável”.  

Depois que o navio atingiu o iceberg, Brown imediatamente se comprometeu a ajudar outras pessoas a entrar nos barcos. 

Ela própria não tentou entrar nos barcos, mas foi atirada sem a menor cerimônia para um deles. 

Esse barco (como todos os outros) não estava lotado e, embora houvesse uma chance de resgatar os sobreviventes, Molly implorou aos remadores que voltassem para buscá-los.

Uma vez a bordo do Carpathia, Brown recolheu roupas quentes e cobertores para as vítimas e organizou a comida.

Mais tarde, Brown se tornou uma defensora do sufrágio feminino e dos direitos dos trabalhadores. Ela até concorreu ao Senado. 

Após a eclosão da Primeira Guerra Mundial, ela se juntou à Cruz Vermelha e, finalmente, partiu para a França. 

Molly Brown morreu enquanto dormia em 1932, aos 69 anos. Muitos sobreviventes do Titanic devem suas vidas a ela.

11 – Millwina Dean

As histórias de sobreviventes do Titanic terminam em Millwyn Dean. Ela tinha apenas dois meses de idade quando o Titanic afundou. Ela, sua mãe e seu irmão foram os primeiros passageiros a escapar do navio que estava afundando. 

Seu pai, que conseguiu levar a família para o convés do barco antes do início do pandemônio, não sobreviveu.

Claro, Dean não se lembrava do naufrágio do Titanic. Após a tragédia, sua família abandonou os planos de emigrar para o Kansas e voltou para a Inglaterra a bordo do Adriático.

Dean tornou-se secretária e viveu tranquilamente até que, na década de 1980, o interesse pelo Titanic despertou repentinamente. Então Millvina de repente ficou famosa. 

Millvina Dean era a mais jovem sobrevivente do Titanic.. Ela morreu em 2009 com 97 anos. Suas cinzas foram espalhadas em Southampton, nas mesmas docas por onde o Titanic navegou.

Compartilhe este Post
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.