Vikings

Vikings: descubra tudo sobre sua história e costumes

Em busca da glória, deixaram suas terras geladas e foram navegar pelos mares e conquistar novos territórios. Essas pessoas entraram para a história e permaneceram nela para sempre – sob o orgulhoso nome de Vikings.

Viver com dignidade e, o mais importante, morrer com dignidade, era o conceito principal do código de honra Viking. 

Suas histórias heroicas estão cheias de conquistas e vitórias incríveis, adquiridas à custa de suas próprias vidas.

Vikings – sinônimo de coragem

Nas batalhas e nas águas turbulentas do Mar do Norte, a coragem era uma das qualidades mais essenciais no coração de um Viking. 

Viver lutando incessantemente com seu destino; morrendo, para encontrar o seu fim, seja ele qual for, com coragem e calma.

O que os Vikings faziam?

À primeira vista, selvagens e bárbaros, os vikings, ao mesmo tempo possuíam rica poesia oral, esculpiram os mais complexos ornamentos em madeira, criaram estátuas majestosas e várias decorações. Eles viveram apreciando a liberdade, coragem e uma mente afiada.

E essas pessoas ásperas e poéticas são, sem dúvida, dignas de serem lembradas.

Ting: assembleia de homens livres na Escandinávia

Ting é a instituição suprema de poder na sociedade escandinava, representando o encontro regular de camponeses livres. Lá foram resolvidas questões judiciais, tomadas decisões fundamentais de natureza estratégica e feitos ajustes na legislação tradicional.

O próprio local de Ting era considerado terra sagrada.

Ao mesmo tempo, a atmosfera dessas reuniões regulares era mais ou menos como uma feira: uma oportunidade de ver rostos conhecidos e novos por muito tempo.

O que era discutido em Ting?

Uma ampla variedade de questões foi discutida no Ting – de assassinato e preparação para a guerra a disputas entre vizinhos por terras e ações judiciais pela sedução de mulheres.

A análise dos casos ocorria de acordo com as regras consagradas pela antiga tradição. Pessoas testemunharam e legisladores – especialistas profissionais na tradição judicial – falaram sobre as questões mais confusas.

Em geral, os normandos estavam muito interessados ​​no processo legislativo, apesar do fato de que litígios reais eram resolvidos mais pela força (ou melhor, pelo número de amigos e conhecidos que estavam dispostos a votar em um ou outro lado).

Vikings: escravidão e assassinato

A instituição da escravidão era uma parte completamente comum e familiar da estrutura normanda da sociedade. Ao mesmo tempo, a escravidão não era uma condição necessária para uma posição respeitada na sociedade ou um fim em si mesma, mas antes o produto de vitórias sobre outros povos.

O escravo ocupando o degrau mais baixo da escala social era considerado quase como parte da propriedade. Ao mesmo tempo, ele usava praticamente as mesmas roupas e vivia praticamente da mesma forma que os membros da família de seu dono.

O assassinato comum, a situação era completamente diferente. O assassino de uma pessoa livre, mesmo que esse assassinato não tenha sido um ato vergonhoso, na maioria das vezes enfrentava consequências muito desagradáveis.

O assassinato poderia se tornar um pretexto para inimizade mútua, em que os parentes de ambas as partes em conflito ficavam gradualmente envolvidos, um após o outro, ou a família do assassinado entrava com uma petição formal no Ting para o pagamento do wergeld.

A tradução literal da palavra “wergeld” é “ouro de guerra”, “dinheiro de guerra”. Esse era o pagamento devido pelo assassinato de um membro livre da sociedade. Ela poderia ser paga em dinheiro e em espécie – por exemplo, com gado.

A falta de pagamento do wergeld, ou a discordância dos parentes do assassinado com seu tamanho, via de regra, causava uma rixa de sangue entre os clãs.

Vikings e os Skalds – Quem eram os Skalds?

O exemplo mais notável de criatividade dos Skalds disponível é o famoso “Edda“, que milagrosamente sobreviveu até hoje, graças ao qual agora podemos aprender sobre os mitos e visões de vida dos antigos escandinavos.

Rudes e formidáveis ​​em batalha, os vikings, no entanto, reverenciavam profundamente as pessoas dotadas do dom da poesia. E não em vão, porque eram os Skalds que representavam os nortistas não apenas como rudes conquistadores, mas também como pessoas com profundo potencial criativo e rica cultura.

Aliás, foi a eles, os skalds, que os vikings deviam o aparecimento de sua bandeira tradicional com a imagem de um corvo.

Além do dom poético, os skalds também deveriam ter uma memória excelente e tenaz, pois para um povo que não sabia escrever, essa era a única forma de preservar e transmitir informações.

Os Skalds jamais participavam de batalhas, mas estavam presentes para contar aos outros o que viam, ao seu estilo, carregado de ritmo melodioso.

Poucos reis (para não mencionar os laços simples) se permitiram ofender um skald, porque ele poderia se vingar. E não com uma espada ou um machado, mas com um um verso blasfemo. Depois dessa vingança, a sorte podia se afastar do ofensor.

Apesar de todo seu desejo por arte e beleza, os normandos não encontravam nada de especial na música. Eles raramente cantavam e muitas vezes as histórias contadas de uma forma ou de outra se tornavam entretenimento. Às vezes – com rima e um ritmo claro, às vezes – simplesmente contada de forma eloquente e cativante.

Em resumo, os Skalds tinha como tarefa criar uma atmosfera, espírito, para mostrar às pessoas toda a beleza da cultura Viking. Torne-se uma espécie de guia para o mundo de feitos heroicos e vitórias gloriosas.

Berserker: quem eles eram?

Berserker

Entre os personagens das sagas, não há ninguém tão intrigante quanto um berserker.

Excepcionalmente forte, insensível à dor e às feridas: era difícil encontrar um guerreiro melhor na batalha.

Sua reputação era ainda mais assustadora do que ele. As sagas contadas na lareira contavam como esses heróis, se ficassem furiosos, podiam:

  • Engolir carvão em brasa;
  • Arrancar árvores;
  • Cortar uma pessoa ao meio com um só golpe.

Claro, sua imagem estava cercada de mistério.

Era considerado uma honra ter um berserker na equipe, embora não um prazer.

Cientes de suas habilidades sobrenaturais, todos o recebiam como hóspede, mas o berserker era capaz de causar preocupação para a família a qualquer momento.

Provavelmente, ele era literalmente louco, ou seja, tinha inclinações maníacas. Talvez ele estivesse desequilibrado devido à excessiva auto-absorção; talvez por causa da completa ausência de qualquer restrição. E por que ele precisava se controlar, porque sua fúria enchia aqueles ao seu redor com temor e reverência.

Alguns dizem que em fúria um berserker uiva como um lobo antes de atacar, outros que ele espuma pela boca e que morde a borda de seu escudo.

Às vezes ele nem vestia uma camisa, ele ia para a batalha seminu, se dá um soco no peito e destrói tudo em seu caminho, não deixando ninguém.

Quanto aos berserkers, são personalidades pitorescas e atraentes.

Mulheres Viking

O status de uma mulher entre os vikings era surpreendentemente alto. As mulheres eram mostradas com respeito e cuidado. No entanto, também não havia nada de surpreendente na ampla disseminação da poligamia – como é tradicionalmente o caso com os marinheiros, os andarilhos Viking eram bastante frívolos sobre o casamento.

Ao mesmo tempo, uma mulher poderia anular o contrato de casamento tão facilmente quanto seu marido, e a participação da esposa no divórcio era um terço de todos os bens.

Embora o gênero, pelo menos, determinasse a superioridade de um representante da sociedade sobre outro, é bem possível que essa superioridade consistisse apenas no fato de que as mulheres, como escravas, não participavam das batalhas e não tinham permissão para o ting.

Casamento Viking

Após o casamento, a noiva levava para a família do marido uma vestimenta de linho e lã, uma linha de fiar, ferramentas de tecelagem e uma cama como parte do dote.

Uma garota de uma família mais rica poderia receber uma parte do dote de joias de prata e ouro, gado, uma fazenda ou até mesmo uma propriedade inteira. Tudo o que ela trazia com ela era propriedade dela, e não se tornava parte dos bens de seu marido. Seus filhos poderiam receber essa propriedade na ordem de herança por idade.

A mulher não se tornava parte da família do marido

Depois do casamento, a mulher não se tornava totalmente parte da família do marido. Ela continuava sendo parte de sua própria família, e se o marido maltratava a ela ou aos filhos, se o pai da família era muito preguiçoso para alimentar a família ou se ofendia a família da esposa de alguma forma, então o divórcio acontecia.

Divórcio

Para isso, a mulher tinha de convidar várias “testemunhas” e, na presença delas, dirigir-se primeiro à entrada principal e depois ao leito do casal e proclamar-se divorciada do marido.

Bebês e crianças após o divórcio ficavam automaticamente com a mãe. Os filhos mais velhos eram divididos entre as famílias dos cônjuges dependendo de seu bem-estar.

Com os direitos de propriedade, herança e divórcio, as mulheres Viking eram mais livres do que a maioria de suas companheiras europeias da época.

Os vikings viviam em grandes grupos familiares. Filhos, pais e avôs viviam juntos.

Mulheres eram curandeiras

Deve-se notar que as mulheres também eram as principais curandeiras. Os curandeiros do sexo masculino não se encontravam com muita frequência, eles levavam uma vida sedentária com ainda menos frequência, de modo que a principal preocupação com os maridos e irmãos feridos recaía sobre a mulher.

A coleta de ervas, o preparo de tinturas e pomadas, curativos – tudo isso fazia parte de seus deveres domésticos diretos.

Costumes na educação dos filhos

O tempo da infância despreocupada não durava muito. Assim que a criança começa a andar e comer sozinha, ela é pouco a pouco encarregada das tarefas domésticas – tirar galinhas do galinheiro, colher frutas silvestres ou nozes, alimentar o gado e outras pequenas tarefas.

Na educação de um jovem nobre (filho de um rei ou conde), as aventuras também eram uma etapa obrigatória.

Se os filhos mais novos recebessem apenas bens móveis durante a divisão da herança familiar, iam para o mar para “fazer fortuna”. E para eles era, embora arriscado, mas o comércio mais desejável e respeitado.

As crianças Viking desde a infância estavam acostumadas a fazer qualquer trabalho necessário, sem medo de se aproximar de negócios desconhecidos. Eles participaram de viagens e batalhas marítimas e, cresciam, imediatamente transformando esses jogos em realidade.

Ao mesmo tempo, muitos deles cresceram e foram criados não com seus próprios pais e mães, mas em famílias de pais adotivos, consolidando os dois clãs com laços familiares e evitando possíveis conflitos entre eles.

Cerimônias e rituais

Os vikings não sentiram a necessidade de erguer estruturas sólidas para adoração de deuses e sacrifícios. Na maioria das vezes, eles se reuniam para feriados e rituais perto de árvores altas, geralmente perto de freixos.

Além disso, cada família possuía estatuetas de vários deuses e podia oferecer sacrifícios a eles na casa ou em um altar próximo a ela, geralmente uma pequena pirâmide de topo plano feita de pedras arredondadas.

Ao se dirigir aos deuses, uma oferenda deveria ser colocada nesta pirâmide, que poderia ser completamente diferente dependendo do pedido e do bem-estar do adorador. Ao mesmo tempo, todos oravam como podiam, sem regras definidas e fórmulas estabelecidas.

Mas assim, no altar da casa, havia apenas, por assim dizer, comunicação pessoal de uma pessoa com os deuses, enquanto ritos cerimoniais de cura, profetização, pedido de ajuda em qualquer assunto, etc. ocorriam apenas em bosques sagrados.

Os vikings também faziam sacrifícios humanos

Por exemplo, antes de uma batalha particularmente importante, ambos os lados podiam consagrar-se como um sacrifício aos deuses – neste caso, acreditava-se que todos os que caíam nesta batalha eram automaticamente vítimas.

Um detalhe desse costume era que, no caso de tal dedicação mútua, o lado vitorioso teria que cortar todos os oponentes restantes e todos os animais que estavam com eles (por exemplo, cavalos e cães) e pendurá-los no sagrado bosque.

Ritos fúnebres e superstições

Quando um guerreiro Viking morria, uma cerimônia fúnebre (nabjargir) era realizada. Em primeiro lugar, seus olhos e boca eram cuidadosamente fechados, e suas narinas seladas.

Em seguida, lavava-se as mãos e o rosto do morto, penteou-lhe os cabelos e vestiu-o com as melhores roupas.

Os rituais fúnebres eram diferentes em lugares diferentes. Em alguns lugares, o morto, homem ou mulher, era enterrado em um monte, e em outros, o corpo era desmembrado e transportado em partes para diferentes partes do país. Às vezes, o corpo do líder também era colocado em um navio, que era incendiado pelo parente mais próximo do falecido.

A maioria dos vikings era enterrados com todos os itens de que pudessem precisar na vida após a morte, incluindo cerveja e comida, armas, joias, roupas, cavalos e cachorros, às vezes até um galo. Mulheres ricas foram enterradas com utensílios de cozinha e artesanato.

Além disso, o enterro às vezes exigia precauções adequadas, especialmente ao enterrar um berserker ou uma pessoa que durante sua vida era conhecida como desonesta e maliciosa.

Nomes Vikings

O som dos nomes escandinavos é muito incomum e complicado e, portanto, parece quase impossível compor o nome correto sem ter um exemplo. Nesse sentido, os assistentes decidiram fornecer uma pequena lista de nomes que podia usar.

Nomes masculinos

  • Bark,
  • Bjarn,
  • Bjarni,
  • Gizur,
  • Gunnlaug,
  • Leiv,
  • Olav,
  • Snorri,
  • Torgils,
  • Torstein,
  • Torvald,
  • Torbjern,
  • Thorir,
  • Torodd,
  • Torkel,
  • Türkir,
  • Hrolf,
  • Herjolf,
  • Halfdan,
  • Eirvrik,
  • Ketil,
  • Dwolan,
  • Helgi Frodi,
  • Asbjorn,
  • Helgi Frodi,
  • Asbjorn,
  • Harald,
  • Ottar,
  • Thorgrim,
  • Stur,
  • Vestar,
  • Thorolf,
  • Torlak,
  • Stentar,
  • Eyre,
  • Ari,
  • Heard,
  • Hledver,
  • Skeggi,
  • Iluggi,
  • Hormund,
  • Tunnlang,
  • Earp,
  • Orm,
  • Asgeir,
  • Tunkolvjorn,
  • Atli,
  • Ulf.

Nomes femininos

  • Gurid(a),
  • Gurin(a),
  • Guda,
  • Krimhilda,
  • Torgunna,
  • Turid(a),
  • Freydis,
  • Hvit(a),
  • Ingvil,
  • Helga,
  • Torunn,
  • Ravarta,
  • Unn,
  • Jorunn,
  • Gyavlaug,
  • Vermunda,
  • Tro,
  • Greilad,
  • Ola,
  • Torgerd(a),
  • Torbjerga,
  • Haldis,
  • Osk,
  • Osa,
  • Thorkhild,
  • Vigdis,
  • Djörg.

Nota: A abundância de nomes (especialmente masculinos) começando com a raiz “tor” é explicada pelo fato de que esses nomes são derivados do nome do deus escandinavo mais amado, Thor, entre o povo do norte. Consequentemente, Türkir é do justo Tyr, e Freydis é da bela Freya, etc.

Os nomes das mulheres em diferentes fontes são dados de maneiras diferentes.

Referências

Vikings: descubra tudo sobre sua história e costumes via @focoefama
nv-author-image

Handreza Hayran

Handreza Hayran é editora do Foco e Fama. Acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos. Também é apaixonada por séries, música, cinema e tudo o que é tecnológico.