‘Desaparecimento na Noruega’ é baseado em uma história real?

Handreza Hayran
5 Minutos de Leitura
desaparecimendo da noruega

A série da Netflix ‘Desaparecimento na Noruega’ segue a investigação policial de 2018 sobre o desaparecimento de Anne-Elisabeth Hagen. Ela é a esposa do magnata imobiliário norueguês Tom Hagen.

O marido rico dá a impressão de estar desesperado, mas o espectador rapidamente fica desconfiado e se pergunta quais são seus reais motivos…

Ao final da minissérie, a história é bastante complexa, fazendo você se perguntar se o caso é baseado em fatos reais.

‘Desaparecimento na Noruega’ é baseado em uma história real?

O sequestro de Anne-Elisabeth Hagen na série da Netflix é baseado em uma história real. Mas também é importante saber que alguns detalhes e nomes foram alterados por motivos dramatúrgicos.

O caso de sequestro começa em 31 de outubro, quando Tom Hagen, marido de Anne-Elisabeth, encontrou uma nota de resgate na casa. Os sequestradores exigiram 9 milhões de euros a serem pagos na criptomoeda Monero.

Os sequestradores avisaram Hagen para não informar a polícia. Mesmo assim, Hagen decidiu que seria melhor chamar a polícia. A polícia então conduziu sua investigação em segredo para atender às exigências dos sequestradores.

Os sequestradores não enviaram outra carta, mas limitaram suas comunicações por meio da plataforma de criptomoeda.

Quando questionados sobre o bem-estar de Anne-Elisabeth Hagen, eles não forneceram nenhuma evidência.

A polícia analisou a nota de resgate e descobriu que foi escrita por um falante nativo, embora o texto continha muitos erros gramaticais. Ao fazer isso, a pessoa queria disfarçar suas habilidades e enganar a polícia.

O papel da nota de resgate também foi comprado localmente, mas não continha evidências de DNA que pudessem ajudar a resolver o caso.

Além disso, quase não havia provas forenses a serem encontradas na casa. Nem mesmo a porta ou a janela foi arrombada. Tom Hagen disse que o casal nunca trancou a porta da frente.

A polícia manteve a investigação em segredo por cerca de dez semanas. Eventualmente, ela decidiu tornar a informação pública, esperando que a maior atenção da mídia pudesse fornecer novas pistas para o caso.

Depois que Hagen pagou aos sequestradores cerca de 1,45 milhão de euros e eles ainda não entraram em contato, o próprio Hagen ficou sob suspeita.

Hagen foi preso em 28 de abril de 2020 e acusado de assassinato. Sugere-se que Hagen assassinou sua esposa e encenou o sequestro para distrair a polícia.

Sua casa foi amplamente revistada, assim como o lago vizinho e outras propriedades do casal.

O investigador principal Tommy Brøske disse o seguinte sobre a prisão de Tom Hagen:

“O caso é caracterizado por uma fraude claramente organizada.”

As suspeitas contra Tom Hagen cresceram à medida que explicações alternativas foram refutadas.

“Houve evidência de engano flagrante e deliberado.”

Rumores de que o casamento de Tom e Anne-Elisabeth Hagen estava com problemas e que ela o estava deixando-o levou a polícia a investigar mais.

Anne-Elisabeth receberia apenas £ 15.000 de sua fortuna de € 190 milhões, um pedaço de terra e um Citroen em caso de divórcio. Por causa disso, a polícia começou a suspeitar de Tom Hagen.

Apesar de algumas evidências circunstanciais, os promotores não abriram um julgamento oficial e Hagen foi libertado pouco depois. Até hoje ele insiste que é inocente.

O caso foi resolvido?

Anne-Elisabeth continua desaparecida até hoje. Nenhum corpo foi encontrado. As autoridades não podem dizer se ela foi realmente assassinada. 

Na Noruega não há limite de tempo para processar assassinatos. Tom Hagen pode ser acusado novamente no futuro se a investigação continuar e os investigadores encontrarem novas evidências. Tom Hagen permanece na mira dos investigadores.

Mesmo que a minissérie da Netflix “Desaparecimento na Noruega” termine sem resolução, é possível que o caso seja resolvido no futuro.

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.