‘Paixão Sufocante’ é baseado em uma história real?

Handreza Hayran
5 Minutos de Leitura
Paixão Sufocante

O filme da Netflix ‘Paixão Sufocante’ é sobre Roxana Aubrey, que se matricula em uma escola de mergulho no sul da França. Lá ela conheceu seu instrutor de mergulho e campeão mundial de mergulho livre Pascal Gauthier. 

Pouco tempo depois eles se apaixonam e Roxana também inicia uma carreira como mergulhadora. No entanto, a crescente experiência de Roxana em esportes aquáticos pode causar alguma tensão em seu relacionamento.

“Paixão Sufocante” é uma emocionante jornada cheia de romance, suspense e amarga rivalidade. 

Depois de terminar de assistir ao filme, você pode querer saber se a história do filme é baseada em eventos reais. 

‘Paixão Sufocante’ é baseado em uma história real?

A história de “Paixão Sufocante” é inspirada em fatos reais. O filme é baseado na história real da mergulhadora francesa Audrey Mestre, que estabeleceu um novo recorde mundial no esporte.

O drama ‘Paixão Sufocante’ combina vários momentos importantes da vida do atleta francês em uma história emocionante.

Na adolescência, mudou-se para a Cidade do México. Ela finalmente decidiu estudar biologia marinha. Aparentemente, o interesse de Audrey pelo mergulho começou cedo e, aos 13 anos, ela já era uma mergulhadora experiente. No entanto, de acordo com a lei francesa, ela só poderia obter sua licença de mergulho aos dezesseis anos.

Em 1996, Audrey conheceu Francisco “Pipn” Ferreras, um mergulhador livre mundialmente famoso de Cuba. Depois que Audrey e Francisco ficaram juntos, os dois se mudaram para Miami. Lá eles começaram a treinar juntos.

Audrey mergulhou a uma profundidade de 125 metros

No filme ‘Paixão Sufocante’, vemos que Audrey estabeleceu novos recordes de mergulho e ganhou destaque. Em 1999 eles se casaram.

Nesse mesmo ano, Audrey mergulhou a uma profundidade de 125 metros, estabelecendo um novo recorde mundial para as mulheres. Um ano depois, ela melhorou seu recorde de profundidade anterior e mergulhou 130 metros de profundidade.

Depois que Tanya Streeter estabeleceu o recorde de mergulho livre com um mergulho de 160 metros em 17 de agosto de 2002, Audrey decidiu quebrá-lo em outubro daquele ano.

Em 4 de outubro de 2002, ela treinou com uma equipe de mergulho liderada por Francisco. Durante seu treinamento, ela teria atingido uma profundidade de 166 metros.

Em 12 de outubro de 2002, Audrey mergulhou a uma profundidade de 171 metros. Depois de atingir a profundidade alvo, Audrey queria abrir a garrafa de oxigênio para usar o balão para chegar à superfície. Infelizmente o tanque estava vazio. Os mergulhadores de resgate também estavam atrasados. Devido à baixa pressão do ar, à forte corrente e ao escalador em ângulo, Audrey não chegou à superfície a tempo.

Em vez de ficar cerca de 3 minutos debaixo d’água, Audrey ficou quase 8 minutos e 30 segundos sem oxigênio. Francisco imediatamente vestiu seu equipamento de mergulho e mergulhou para sua esposa. Embora tenham tentado salvar Audrey, era tarde demais.

Alguns especialistas reclamaram então que a tentativa de recorde foi realizada sem importantes normas de segurança. Audrey deveria ter mais equipe médica, mergulhadores de segurança e equipamentos de resgate disponíveis.

Um pulso foi detectado quando Audrey foi trazida à superfície, mas ela morreu mais tarde devido à falta de atendimento médico.

Foi alegado que Francisco perdeu tempo tentando reanimar sua esposa debaixo d’água. Seu marido também tinha a tarefa de encher o tanque de oxigênio de Audrey.

Muito tem sido especulado sobre suas intenções no assunto. Ele também não permitiu que ninguém verificasse o tanque de oxigênio.

O marido de Audrey teve haver com sua morte?

Em 2002, após sua morte, ela foi introduzida no Women Divers Hall of Fame.

Em 2004, Francisco escreveu um livro chamado Deep Rush: A Story of Love and Obsession. O livro descreve os acontecimentos daquele dia do ponto de vista do mergulhador.

Outro relato de eventos é encontrado no livro de Carlos Serra de 2006, The Last Attempt. Alega que Francisco e Audrey estavam à beira do divórcio porque ele não conseguia lidar com o sucesso dela como mergulhadora.

Serra acusa Francisco de ter uma participação pessoal na morte de Audrey ao adulterar seu tanque de ar comprimido. Carlos Serra foi ex-colega de mergulho de Audrey e membro da equipe final do mergulhador.

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.