Explicação do final de ‘All of Us Are Dead’ série sul-coreana em alta na Netflix

Handreza Hayran
2 Minutos de Leitura

Um novo fenômeno sul-coreano estreou na Netflix, a série de televisão ‘All of us are dead’ baseada no webtoon Now at Our School que revisita o gênero zumbi na Coreia do Sul

Desde seu lançamento em 28 de janeiro, o título se posicionou entre os mais assistidos da América Latina e pretende igualar o sucesso de outras produções asiáticas como Round 6.

Explicação do final de All of Us Are Dead

Atenção, spoilers à frente! On-jo, Su-hyeok, Dae-su, Ha-ri, Mi-jin e Hyo-ryung sobrevivem até o final e são recebidos em um acampamento de quarentena.

Quatro meses depois, eles permanecem neste local até que o governo sul-coreano determine quanto tempo o vírus precisa esperar para incubar. Por outro lado, Nam-ra ainda está vivo… como uma espécie de meio humano, meio zumbi.

Na última cena de All of us are dead, os seis jovens decidem fugir do campo, após o toque de recolher, e retornar às dependências da escola abandonada. O motivo?

On-jo tinha visto fogo, então as suspeitas cresciam de que havia mais sobreviventes. Quando eles chegam, eles encontram Nam-ra e fazem uma fogueira novamente no telhado.

Embora sejam assombrados pela memória de não terem sido salvos ali antes, eles compartilham um momento de amizade e a adolescente infectada se sente feliz, pela primeira vez, por ter feito amigos mesmo em uma situação em que ela deve viver fugindo o tempo todo.

Dos 170.000 habitantes de Hyosan, 110.000 sobrevivem. Há 60.000 mortes relatadas pelos militares após bombardear a área que agrupou cerca de 50.000 infectados e 10.000 que ainda não apresentavam sintomas ou simplesmente não carregavam o vírus.

Outros personagens que também chegam ao último capítulo vivo são o detetive Jae-ik, o bombeiro, o youtuber, o bebê e a menina.

Todos os 12 episódios estão disponíveis para assistir no serviço de streaming Netflix.

Escrito por Handreza Hayran
Nascida e criada em Petrolina-PE, Handreza Hayran é co-fundadora e editora do Foco e Fama. Formada em Computação pela UFRPE, ela também é fã de tecnologia, filmes e séries. Além disso, acredita que histórias bem contadas, são presentes incrivelmente valiosos.