Lupin existia na vida real e você não sabia: conheça Alexandre M. Jacob

Por ocasião da estreia da segunda temporada de Lupin, aqui trazemos a você a história da pessoa em que se baseia o personagem de Arsène Lupin.

Lupin foi uma das séries que mais ganhou popularidade desde o lançamento de sua primeira temporada.

Todo mundo já conhece o personagem dessa história, mas com certeza você não sabia que ele se inspirou em uma pessoa que existiu na vida real: Alexandre M. Jacob. Quem era ele e o que fez?

Lupin existia na vida real?

O programa de televisão é inspirado nos romances de Maurice Leblanc, que contam as aventuras de Arsène Lupin.

O que poucos sabem é que o autor contou com uma pessoa da vida real para criar o personagem mítico dos livros.

Este é Alexandre M. Jacob, um dos bandidos anarquistas mais famosos de todos os tempos. Ele nasceu em 1879, em Marselha, França, e desde criança tem uma história muito particular.

Aos 12 anos, ele era aprendiz de marinheiro em uma viagem a Sydney, mas desertou e se tornou um pirata.

Em 1897 ele voltou para sua cidade, participando de reuniões anarquistas e sendo preso por porte de explosivos em vários roubos menores, pelos quais foi condenado a seis meses de prisão.

Ele evitou mais punições após fingir alucinações e foi mandado para um asilo, mas lá organizou uma gangue com a qual fugiria do estabelecimento.

Em 1905 foi preso e condenado a trabalhos forçados na Guiana Francesa, até que voltou à França em 1928.

Uma vez em casa sabe-se que trabalhou como vendedor de tecidos, mas o resto de sua vida é um mistério. Acredita-se que em 1936 ele esteve em Barcelona e se suicidou em 1954.

Lupin existia na vida real e você não sabia: conheça Alexandre M. Jacob via @focoefama

Autor(a): Handreza Hayran

Handreza Hayran é editora do Foco e Fama. Acredita que histórias bem contadas, são um presente incrivelmente valioso.
Também é apaixonada por séries, música, cinema e tudo o que é tecnológico.

lingo lingo

“Milagre na cela 7”: o que significa “lingo, lingo” no filme?

Tomás Gimeno: o homem que queria causar “a maior dor imaginável”