rainha briedgerton-754x394

Rainha Charlotte: quem é a rainha negra de Bridgerton?

A Rainha Charlotte – a leitora mais ávida das crônicas de Lady Whistledonw em Bridgerton realmente existiu. Seu nome era Sophia Carlotta de Mecklenburg-Strelitz e ela tinha ascendência afro-americana. Aqui está sua verdadeira história.

Rainha Charlotte

Black Panther, o primeiro super-herói negro a estrelar um blockbuster da Marvel, transformou os holofotes do cinema na integração e inclusão ao transformar um delicado tema social em uma declaração “pop”. 

Algo semelhante aconteceu na TV com a chegada de Bridgerton, a série produzida por Shonda Rhimes (que, com Scandal colocou uma mulher negra de maior sucesso na telinha). 

No dia de Natal, a Netflix monopolizou a atenção do público com essa história de fantasia baseada no primeiro romance da série homônima de Julia Quinn (O duque e eu).

Personagens de Bridgerton: Quem é quem?

Rainha Charlotte

Na série, as figuras mais poderosas da alta sociedade inglesa do início do século XIX (o chamado período de Regência) são duas mulheres. E isso em si já seria uma revolução até hoje. 

No topo da hierarquia encontramos a Rainha Charlotte (Golda Rosheuvel), e Lady Whistledown (a quem Julie Andrews empresta sua voz), a misteriosa escritora de crônicas tabloides mundanas da aristocracia britânica. 

São elas que administram, manipulam e dirigem o sangue azul da época, manipulando os senhores e as damas como fantoches.

Quanta verdade existe na história da rainha Charlotte em Bridgerton?

Quanta verdade existe na história de Bridgerton? Antes de mais nada, é preciso esclarecer que as realidades dos romances de Julia Quinn não são mencionadas de forma alguma: a autora concentra-se em cada livro na história de amor principal e todo o resto fica para trás. 

A saga original, que consiste em oito romances (um para cada filho do visconde), muitas vezes deixa a outra dinâmica em segundo plano porque prefere aprofundar a história, inclinações e hábitos de dois protagonistas de uma vez.

Por outro lado, na versão do Netflix, a relação entre Daphne, a quarta filha Bridgerton (Phoebe Dynevor), e Simon (Regè-Jean Page), duque de Hastings, ainda permanece central, mas intercalada com os eventos de família, amigos e conhecidos.

Mas quem foi a Rainha Charlotte?

Rainha Charlotte é a leitora mais ávida das crônicas de Lady Whistledown. Mas isso realmente existia? 

Com certeza sim: Sophia Charlotte de Mecklenburg-Strelitz foi de fato o primeiro membro birracial da família real inglesa, descendente de um ramo afro-americano de governantes portugueses interpretado por Margarita de Castro y Sousa (no século XV). A nobre em questão parece descender de Madragana, amante do rei Alfonso III, de origem norte-africana.

Charlotte se casou com o rei George III em 1761 (aparentemente aconteceu apenas seis horas após o primeiro encontro), que também vimos no cinema no filme “A Loucura do Rei George”. 

Na época era apelidada de “Rainha Snuffy”, devido ao hábito – compartilhado por muitos no século XIX – de cheirar rapé. Ela morreu em 1818 (a série Bridgerton começa em 1813), tendo dado à luz quinze filhos, reinando como rainha consorte e patrocinando as artes. 

Em uma cena no palácio, de fato, ela diz a Lady Violet Bridgerton (Ruth Gemmell) que conheceu Mozart, como confirmam os testemunhos da época.

Ainda na série, ela é vista à mesa com o marido, que fala sobre seu amor pela botânica. Mais uma vez, esse detalhe é verdadeiro porque o soberano tinha paixão por flores e de fato patrocinou o nascimento dos jardins reais.

O casamento deles, como muitas vezes sublinhado na série, foi baseado no amor e na amizade e várias cartas da época escritas pela Rainha de seu próprio punho parecem confirmar essa hipótese. 

Na versão Bridgerton da história, o rei George e sua esposa levam vidas separadas devido à condição mental precária do soberano e, mais uma vez, isso é verdade.

Shonda Rhimes é famosa em Hollywood por focar na diversidade

A produtora Shonda Rhimes é famosa em Hollywood por focar na diversidade, reunindo um elenco de estranhos que se tornam estrelas muito bem pagas da noite para o dia, e frequentemente escolhe artistas negros para os papéis principais. 

Com Bridgerton, ela se superou ao enxertar princípios modernos na tradição britânica e misturá-los com detalhes históricos do Reino Unido. 

Muito antes de Meghan Markle, em suma, a realeza da Inglaterra poderia realmente ter dado as boas-vindas a pessoas birraciais em suas fileiras.

Não apenas teorias…

Na pesquisa sobre esse período histórico, o estudioso Joel Augustus Rogers, na década de 1940, foi o primeiro a endossar a hipótese de que o soberano tinha descendência afro-americana no sangue. 

Não se sabe, no entanto, se na realidade a rainha Charlotte elevou a comunidade afro-americana ao conferir títulos de nobreza e criar uma integração racial de fato, como visto na série. 

Lady Danbury(Adjoia Andoh) em uma cena reprova seu protegido Simon, dizendo-lhe que o amor é a força mais poderosa de todas, capaz de superar a razão e perturbar as regras da sociedade. Esse sentimento sentido pelo rei George sancionou a igual dignidade dos negros, até então totalmente ignorada, e desencadeou uma mudança radical em toda a sociedade britânica. 

Além dos 7.500 adereços (criados pela figurinista Ellen Mirojnick, a série que imediatamente assumiu o primeiro lugar entre os títulos mais vistos da Netflix – apresenta muito, muito mais e com menos elementos fantasiosos do que você pode acreditar.

Rainha Charlotte: quem é a rainha negra de Bridgerton? via @focoefama

Autor(a): Handreza Hayran

Handreza Hayran é editora do Foco e Fama. Acredita que histórias bem contadas, são um presente incrivelmente valioso.
Também é apaixonada por séries, música, cinema e tudo o que é tecnológico.

Netflix um filme por semana

Netflix: um filme por semana para 2021

oscar 2021

Oscar 2021: tudo o que sabemos até agora